Dieta do Tipo Sanguíneo

2 semanas ago

Histórico

A dieta do tipo sanguíneo foi criada pelo médico naturopata americano Peter James D’Adamo, que a popularizou através do livro “A Dieta do seu Tipo Sanguíneo”, publicado em 1996 nos Estados Unidos.

Para o autor, cada organismo está preparado para assimilar um determinado tipo de alimento. Baseia-se na teoria de que o tipo sanguíneo determina funções digestivas, estruturas imunológicas e que alguns alimentos podem causar emagrecimento ou aumento de peso.

Desta forma, se a pessoa seguisse uma dieta correta para o seu tipo de sangue ela emagreceria, ficaria mais saudável e ainda evitaria várias doenças.

Essa dieta se fundamenta na evolução humana, migração e miscigenação das raças, adaptações sofridas pelo sistema digestivo e imunológico e relaciona isso diretamente com as necessidades nutricionais de cada tipo sanguíneo atual.

Como funciona a dieta do tipo sanguíneo

A dieta do tipo sanguíneo mostra o que é bom ou não consumir de acordo com os quatro grupos principais (A, B, AB e O).

Os alimentos, segundo a dieta de D´Adamo, são divididos em três categorias: benéfico (alimento que atua como remédio, capazes de prevenir e tratar doenças), neutro (atua como alimento mesmo) e nocivo (atua como veneno ao organismo, podendo causar ou agravar doenças).

Tipo sanguíneo O: caçadores e carnívoros

As pessoas que tem tipo sanguíneo “O” são classificadas como caçadores e carnívoros, com aparelho digestivo forte, sistema imunológico resistente e requerem metabolismo eficiente para permanecerem magros.

Tipo sanguíneo A: vegetarianos dóceis

Tipo sanguíneo B: onívoros

Tipo sanguíneo A e B: vegetarianos e onívoros

Pontos positivos

O indivíduo passa a considerar e observar o funcionamento do seu organismo como um todo.

Pontos negativos

  • Não tem comprovação científica;
  • A dieta praticamente não leva em consideração o fator sanguíneo RH;
  • Não reeduca os hábitos alimentares;
  • Restringe grupos alimentares importantes para o funcionamento do organismo;
  • Não é adaptado à cultura e realidade da população brasileira;
  • Difícil de ser seguida;
  • Pode ser confusa, pois tem um quadro grande e detalhado dos alimentos proibidos e permitidos.

Opinião do profissional

Primeiramente, a dieta do tipo sanguíneo não possui nenhuma comprovação científica e não é aceita pela maioria dos profissionais de saúde.

Não considera o estado de saúde prévio da pessoa – somente o tipo de sangue e a possível pré-disposição a doenças, de maneira impositiva.

A restrição de grupos alimentares pode resultar em carências graves no organismo quando feita a longo prazo.

Os alimentos são escolhidos sem considerar o poder aquisitivo do indivíduo, bem como sua cultura, estado nutricional e disponibilidade dos alimentos recomendados.

É mais restritiva do que incentivadora da alimentação saudável.

A dieta não determina a quantidade dos alimentos a serem ingeridos, não promove uma reeducação alimentar, hábitos saudáveis, e nem possui um acompanhamento profissional.

Para sua segurança e sucesso da sua dieta, procure uma nutricionista.

Autor: Renata T. A. Araújo
Email: renata@nutricaoemfoco.com.br